Mas quem era a linda moça a quem Pedro tanto amava? quem era a virgem formosa que elle assim idolatrava? era rica ou pobresinha? tinha-lhe amor ou não tinha? Não é o que queres saber? vamos, leitor querido, satisfazer teu pedido, tudo vamos dizer. Ella tinha quinze annos; era um anjo de graça, candidez e de bondade, e aquelle coração de meiga pomba amava como se ama nessa idade.

Todas as vejo e todas me repetem a sua formosura e o seu encanto, tais quais nessa alvorada me encontraram, amando-as com um amor que cresceu, intemerato, isento, incorruptível, sofrendo vária sorte sem mudança, a sorte mais contrária e a mais benigna.

Eis porque, nessa tarde, fugindo do seu atelier, onde perigosas imagens lhe perturbavam o espírito, exclamou: «Se amo, estou perdido! O amor e o trabalho são dois inimigos mortais. Não amemos

E para a posteridade ficaram face a face, nessa disputa famosa, a teoria do poder absoluto e, em germen, a da monarquia representativa. Para um e outro é igual o significado da lei fundamental.

Exactamente nessa tarde tinha ele ido ao cemitério fazer a fúnebre visita. Quando se recolheu era noite. Mal acabou de cear levantou-se bruscamente da mesa e foi-se para o horto, com uma grande vontade de chorar.

Nessa mesma noite arrastavam-se desfallecidos pelos arrabaldes de Lisboa os invasores, cuja sombra sossobrára o peito de um descendente de D. João I! Quasi nús, descalços, esmorecidos, recrutas imberbes com as espingardas cobertas de ferrugem, inuteis, ou partidas, os soldados do corpo de occupação infundiam mais e piedade, do que temor e respeito no animo dos que os viam desfilar.

A poesia nessa epocha era tida em grande conta, e as attenções, por tanto, da assemblea voltaram-se todas para o bardo. Uma cabeça, uma se volvia attenta para outro lado, e esta cabeça era a de Fernando. A cortina de cadafalso das damas fora corrida por dous pagens, e D. Catharina e mais umas oito damas da nobresa das visinhanças da cidade tinham apparecido rodeadas pelas suas donzellas.

Mas ainda mais feliz a intelligencia superior ás do vulgo, aquella que a Providencia destinou á missão do poeta, nos annos da infancia e da juventude, antes que o arido bafo da sciencia a queimasse passando por cima della! Nesse espirito e nessa idade a religião não está nos preceitos e nos dogmas; está na natureza inteira.

Pedir, e muito pedir Piedade e compaixão; E de tão grandes offensas O mais sincero perdão. Sim, ó meu Deus, ó meu Pae, Piedade, e misericordia Vos pedimos por quem está Exposto nessa Custodia. Misericordia, meu Deus, Misericordia, Senhor, Misericordia, pedimos, Por vosso amor. Misericordia, meu Jesus, Vos pedimos humilhados, Dai-nos, ó meu Senhor, Perdão dos nossos pecados.

Garcia de Rezende na chronica de D. João II, narrando as festas que se fizeram em Evora no casamento do principe D. Affonso com a infanta D. Isabel de Castella, fala, em varios capitulos, dos entremezes e representaçoens, que nessa occasião se fizeram, dando a entender pelo modo porque acêrca d'elles se exprime, que eram uma coisa bem conhecida e vulgar, e não é impossivel que ainda se nos depare algum monumento d'esse nosso primitivo theatro.