Fóraberrou em tremebunda grita, dos poetas e musas a troupe maldita. Esperando, pela turba, em borra ser desfeito, co'os olhos no ceu, cruzo os braços sobre o peito. .................................................. «Bravo! Bravome applaudem todos presto. «Salvaste-te sómente pelo gesto. Serve-te d'elle; não é pimenta

Na troupe de escritores em flor do meu tempo, parece-me que vão 30 anos, e tudo isto é apenas de ontem! havia, joeirados com singular amor de arte pura, uma dúzia de rapazes de incontestável valor literário, desabrochando esbanjamentos de talento pelas gazetas e revistas mundanas. Poetas e prosadores, contistas e dramaturgos, miniaturistas da poesia, do romance e da crónica, dessa plêiade de rapazes, um tanto insubmissos e um tanto boémios, alguns treparam triunfantes, poucos; outros, quase o resto, ou foram ainda verdes da vida para os cemitérios das suas aldeias, ou, o que é quase o mesmo, deram-se a calejar as mãos, dissolvendo as suas aptidões de plumitivos incipientes, nas minas de oiro e de ferro da luta pela vida. Dos felizes, dos que triunfaram, como quem diz, dos vencidos da vida, me sorria eu

Nascera da obscuridade, o destino atira-as aos braços da gloria, é por via de regra um empresario que as ouve cantar uma tonadilha e as aggremia logo á sua troupe chegam a ser muito ricas, como se houvessem encontrado thesouros encantados, e fiam tanto da sorte, que esperam encontrar collares e braceletes por toda a parte sem se darem o incommodo de procural-os.

Na primeira invasão franceza em Portugal pelo anno de 1809, o general Junot, havia proclamado: «Toute ville ou village, dans lesquels on aura pris les armes contre mon armée, et dont les habitantes feront feu sur la troupe française, seront livrées au pillage, détruits de fond en comble, et les habitants passés au fil de l'épée. Tout individu pris, les armes