A creação do Collegio dos nobres por carta de lei de 7 de março de 1761 havia sido aconselhada por carta de Ribeiro Sanches, datada em Paris, em 19 de novembro de 1759». Esta data é precisamente aquela que se no termo das Cartas sobre a educação da mocidade.

Ninguem melhor que tu o sabe, respondeu Nebrixa; porque foste hum respeitavel membro da Meza Censoria; por isso bem conheces a causa de tantos Professores ignorantes: fugiram acaso do mundo as Instrucções appensas justissimo Alvará de 1759? E naõ determina elle que senaõ ensine nem publica, nem particularmente sem rigoroso exame?

O mesmo papa lhe não era adverso, e Almada, comprehendeu logo que nada conseguiria. Carvalho publicou então o decreto de 28 de junho de 1759 pelo qual os jesuitas, eram desnaturalisados, proscriptos e expulsos, para sempre de Portugal e seus dominios. Todos os portuguezes eram obrigados, sob penna de morte, a prohibir-lhe a entrada no reino, e de ter com elles a minima correspondencia ou relação.

A creação do collegio dos nobres, por carta de lei de 7 de março de 1761, havia sido aconselhada por carta de Ribeiro Sanches, datada em Paris, em 19 de novembro de 1759. Possuo esta carta autographa. Contém 129 paginas em 4.º maior. Não sei se um rarissimo livro intitulado Cartas sobre a educação da mocidade, impresso em Colonia em 1760, é o traslado d'este manuscripto.

Um primoroso Luiz XIV a cavallo era do famigerado Lebrun. A marqueza de Tavora, D. Leonor, justiçada no patibulo em 1759, foi a mais formosa fidalga das côrtes de D. João V e D. José I. Morreu aos cincoenta e nove annos. Subiu intrepida ao cadafalso. Parecia inflexivel ao espectaculo do cutelo. Nem uma lagrima, nem um gemido supplicante!

Diz algures o sr. Teixeira de Vasconcellos: «Nos dominios severos da historia ainda não passou em julgado nem a sentença que condemnou a perpetua infamia o nome dos Tavoras, nem a que depois pretendeu lavar de qualquer mancha a memoria de tão numerosa e esclarecida familia. Não nos cabe apreciar a sanguinolenta catastrophe de Janeiro de 1759.

Os teus versos naõ invejam aos melhores da idade de Augusto: mas de Grammatica foste hum verdugo, como se próva claramente nas Instrucções de 1759. Tambem o teu Mercurio, disse Alvares, naõ foi quem abrio os olhos aos mortaes.

A execução seguiu o julgamento. Foi no dia 13 de fevereiro de 1759 ás 8 horas da manhã. O aspecto da cidade era sinistro e ameaçador. Via-se na praça de Belem fronteira ao Tejo, um cadafalso de dezoito pés de altura. A praça estava cheia de tropa, o rio mesmo estava coalhado de espectadores. Não se ouvia senão o ruido surdo da multidão que queria presencear a morte d'esses grandes senhores.

Em 1759 foram expulsos, de Portugal; em 1764 foi a sociedade supprimida em França e os bens confiscados, e em 1773 apparecia o breve Dominus ac Redemptor, que supprimia a Companhia de Jesus, considerando perigosa a sua doutrina. Firmava-o o pulso fraco, mas parricida! de Clemente XIV que em pleno peito apunhalava os seus mais zelosos filhos.

III, pág. 349, afirma que o destinatário era o principal Almeida que fôra nomeado director geral dos estudos e remetera a Sanches o alvará de 28 de junho de 1759 abolindo as classes e colégios dos jesuitas. Não é assim. Camilo Castelo Branco não possuía exemplar impresso das Cartas, mas tinha em seu poder uma cópia que começou a publicar no Ateneu, revista conimbricense.