Elle reformou os estudos e a universidade, elle fundou companhias e fabricas, elle partiu os dentes á inquisição, elle poz fóra os jesuitas, elle tirou a censura dos livros aos padres, elle acabou com distincções de christãos-novos e christãos-velhos, e na India e no Brazil acabou tambem com todas as tolices das raças, elle arreganhou os dentes a Roma, e soube pôr o papa no seu logar, elle bateu o á Hespanha, elle fez-se respeitar da Inglaterra, elle acabou com os morgados pequenos que faziam mal á lavoura, elle não deixou que entrassem para padres e frades todos quantos o queriam ser, porque, se as cousas continuassem assim, ás duas por tres não havia senão cabeças rapadas em Portugal, emfim, meus amigos, é de uma pessoa pasmar ver que aquelle diabo de homem, que ao mesmo tempo fazia de Lisboa uma cidade nova e levantava uma estatua ao seu rei no Terreiro do Paço, em tudo poz a mão, tudo melhorou, tudo reformou, tudo arranjou, e póde-se dizer que virou a nação de dentro para fóra.

Fui; namorei-me da filha d'elle, D. Rufina, moça de dezenove annos, bem bonita, embora um pouco acanhada e meia morta. Talvez seja a educação, pensei eu. Casámo-nos poucos mezes depois. Não convidei o caiporismo, é claro; mas na egreja, entre as barbas rapadas e as suiças lustrosas, pareceu-me ver o carão sardonico e o olhar obliquo do meu cruel adversario.

Com as caras rapadas á navalha e os longos bigodes negros caídos, arrastavam pressurosos as compridas camisas de algodão e de seda, calçados nos seus sapatos bicudos de cordovão lavrado: e os longos brincos de ouro cravejados de pedras balouçavam e tilintavam nas orelhas, em quanto corriam desafivelando, cansados, os cintos de ouro rutilantes de esmeraldas.

No meio dos outros, com as suas caras rapadas de lôrpas, valentes mas sem a elegancia dos gestos disciplinados pelo exercicio regular, o seu pequeno bigode de cidadão retorcia-se aos domingos com uma petulancia irresistivel.

Dos soldados portuguezes, alguns foram lançados na enxovia, outros deportados, e as meretrizes da rua da Amendoeira, rua Suja, e immediatas, depois de rapadas á navalha, e vergastadas no pateo da intendencia, foram desterradas para o Alemtejo.

Alli, divindade e padre, n'aquella augusta ceremonia, eram os arcanos sagrados, arcana sacra, o mysterioso respeito ao Deus invisivel, consagrado nos solitarios murmurejos da selva, lucos ac nemora consecrant. Ora, medite, snr., n'estes selvagens, onde as mulheres rapadas, as adulteras, eram por tanta maneira raras, que apenas apparecia uma para cevar a execração das turbas!